Angola:  Conjugar os Tempos no Passado, no Presente e no Futuro. ANGOLA - Conjugar os Tempos
no Passado,
no Presente
e no Futuro.


“We are made wise not by the recollection of our past, but by the responsibility for our future.”

“A sabedoria não se revela recordando o nosso passado, mas evidenciando responsabilidade perante o futuro.”

George Bernard Shaw



... Porém, nenhum ser humano, nenhum país escapa a um passado. Seja ele digno ou infame. De prosperidade ou de pobreza. A experiência vivida é o passado de cada um. Não pode passar-se uma borracha e re-escrevê-lo...

O passado de Angola contém uma grande dose de sofrimento, injustiça... Mas... foi tudo errado?

Volto a citar o Padre Ruela:

“Os mortos guiam os vivos!...
É verdade: sem freio nem chicote...
O passado impõe-se ao presente, e garante o futuro.
O homem egoísta é inimigo do verdadeiro Progresso e prejudicial à Sociedade.
É esta a minha... ilusão!”


in
“Paulo Dias de Novais e a Fundação de Luanda – 350 anos depois...”, 2 de Dezembro de 1926 – Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa, Portugal.

A mensagem é clara:

        Os mortos guiam os vivos!... sem freio nem chicote...
            O passado impõe-se ao presente, e garante o futuro.

É na história já vivida de Angola, certa ou errada, que as gerações seguintes devem ir buscar os ensinamentos. Corrigir o errado, seguir o que de correcto foi feito, se assim entenderem... devendo - até e também! -, ter a responsabilidade de fazer melhor!


A ideia desta nova secção surgiu quando recebi do João Manuel Mangericão (“Obrigada por mais este contributo!”) a transcrição de um documento de 1925 que, tenho a certeza, provocará um sorriso em muitos, ao reconhecerem nomes de parentes e amigos dos nossos mais velhos. Como aconteceu comigo.

Contrapondo a notícia do passado, há as actuais, que nos dão conta de iniciativas que poderão beneficiar a sociedade, transmitindo confiança no futuro. A vontade e a determinação em concretizar serão factores decisivos.


Mas a força de superarmos a nossa condição histórica também reside dentro de nós. Saberemos como já soubemos antes conquistar certezas que somos produtores do nosso destino.”,
Mia Couto, in
“Os Sete Sapatos Sujos” - Oração de Sapiência na abertura do ano lectivo no ISCTEM (Clique no título para aceder ao texto completo, em MACUA DE MOÇAMBIQUE.)





Menu - Clique no título para ler a notícia.



Inserção em 26 de Abril de 2005 - Actualização em 1 de Agosto de 2006.

[ Encontro com a Escrita ] [ Página Principal ]