"Backgrounds Etc."

"Primeiras Letras em Angola"
Biografias de Mestres

Página 1 de 1

Joaquim Eugénio de Sales Ferreira exerceu as funções de professor de diversas disciplinas, nos liceus do reino, tendo leccionado também em vários colégios da capital portuguesa, antes de vir para Angola.

Foi nomeado professor da Escola Principal de Luanda, por diploma de 15 de Março de 1871, tendo tomado posse do cargo e entrado em exercício no dia 1 de Julho seguinte. Tomara sobre si o encargo da regência da 2ª Cadeira.

Fez parte do júri de exames que deveria funcionar a 15 de Julho de 1874. Tinha sido nomeado em 25 de Junho, com Nicolau Rogeiro. Os diplomas do exame foram entregues aos candidatos durante uma sessão pública e solene efectuada no dia 19 de Julho.

Por determinação datada em 26 de Agosto desse mesmo ano, Joaquim Eugénio de Sales Ferreira recebeu o encargo de ir em comissão aos diferentes concelhos, em visita de inspecção às escolas. Deveria começar pelo litoral, e só depois iria ao interior. No final da inspecção efectuada, entregaria circunstanciado relatório, referente às visitas que tivesse feito.

O mesmo agente do ensino aparece-nos a fazer parte do júri de exames realizados em Luanda, no mês de Julho de 1875. Segundo um aviso de 16 desse mesmo mês e ano, Joaquim Eugénio de Sales Ferreira leccionava as disciplinas componentes do que se chamava a 2ª Cadeira – História Universal, e Princípios Elementares de Física. Mas, outro aviso, este de 17 de Outubro de 1876, indicava já que a 2ª Cadeira abrangia as disciplinas de História Geral, História Pátria, História de Angola, Geografia Geral e Corografia de Angola. Estranhamos que se não ensinasse a Geografia de Portugal! E, em 14 de Outubro de 1882, tornava-se público que a mesma Cadeira abrangia as disciplinas seguintes: - Desenho Linear, Matemática Elementar, Princípios de Física, Química, e Introdução à História Natural. Nesta altura, Joaquim Eugénio de Sales Ferreira tinha sido já substituído.

Este docente exerceu cargos de muita responsabilidade, em Luanda, como os de administrador do concelho, membro da Câmara Municipal, vogal e secretário do Conselho Inspector de Instrução Pública, membro da Junta de Lançamento da Décima, da Comissão Administrativa da Santa Casa da Misericórdia, da Comissão para o Estudo do Abastecimento de Água a Luanda, da Comissão para o Estudo do Regulamento do Trabalho Livre, da Comissão Administrativa do Recolhimento Pio de D. Pedro V, delegado interino do Procurador da Fazenda e da Coroa na comarca de Luanda, etc. Exerceu também grande influência sob o ponto de vista económico e social. O seu nome era conhecido e respeitado. As autoridades tinham por ele muita consideração, destacando-se com diversos louvores, outorgando-lhe galardões vários e chegando até a ser elevado à dignidade de cavaleiro fidalgo da casa real.

No dia 24 de Março de 1876, Joaquim Eugénio de Sales Ferreira pediu autorização para ir ao reino, onde tencionava demorar-se um ano. Confessava que não fazia falta na escola, visto ter reduzida frequência nas duas cadeiras que estavam a funcionar; e declarava que o professor da 1ª Cadeira poderia acumular a regência das duas, como já por vezes tinha acontecido. Ignoramos se lhe foi concedida a autorização solicitada, nas condições por ele sugeridas... Sabemos, todavia, que partiu para Lisboa, em gozo de licença de um ano, no dia 8 de Agosto de 1881; nesse mesmo dia era comunicado que fazia viagem a bordo do transporte “Índia”. O governador-geral de Angola informava que ra um funcionário inteligente, honesto, de bom comportamento, extremamente zeloso pelo serviço público, que tinha desempenhado com muito acerto, pelo que fazia dele o melhor conceito.

Outra informação dizia o seguinte: - Este professor torna-se notável pela sua inteligência e pelo incansável zelo com que promove os melhoramentos da Escola Principal.

E podemos ainda transcrever outra, em que se lê: - Continua a ser incansável, tanto em promover os melhoramento da Escola como o adiantamento dos seus discípulos.

Em 22 de Junho de 1880, informava-se que, tendo aparecido um anúncio de concurso para o provimento da 2ª Cadeira, da Escola Principal de Luanda, não poderia efectuar-se, visto pertencer por nomeação vitalícia a Joaquim Eugénio de Sales Ferreira.

Este docente nasceu em Lisboa, no dia 14 de Outubro de 1846, e faleceu na mesma cidade, em 6 de Janeiro de 1883. Tinha embarcado pouco antes para a Europa, na sua última viagem. Estava casado com uma senhora de destaque e de família bem conhecida em Luanda, Maria José Ayala de Sales Ferreira, irmã de outro conhecido luandense de então, Eduardo Ayala dos Prazeres. O jornal O Mercantil publicou a sua biografia por motivo do seu falecimento, no número de 26 de Abril desse ano.

Júlio de Castro Lopo, conhecido estudioso da História de Angola e sobretudo da História da Cidade de Luanda, afirma no trabalho intitulado Recordações da Capital de Angola de Outros Tempos que o professor Joaquim Eugénio de Sales Ferreira era homem muito inteligente e geralmente estimado; exerceu as funções de advogado provisionário, foi administrador do concelho e colaborador do semanário local, O Mercantil.

Era filho do tenente-coronel graduado da guarnição de Angola, Francisco de Sales Ferreira, falecido no Bembe, antigo distrito de D. Pedro V, em 18 de Janeiro de 1857. A sua família tinha, pois, tradição de bons serviços prestados à Pátria, em Angola.

[ Encontro com a Escrita ] [ Página Principal ] [ Biografia de Mestres - Principal ] [ Primeiras Letras em Angola - Principal ]